Ser você: A melhor estratégia de conteúdo

Conteúdo Dez 09, 2020

Na busca por anunciantes e campanhas adequadas, muitos criadores de conteúdo se chocam contra o muro na hora de definir quem devem ser. Em quem não sabe para que lado correr, cresce a dúvida de que personalidade escolher para se adequar ao que as marcas desejam. Mas a verdade é que a essência dessa pergunta já nasce errada.

Quando nós selecionamos perfis junto com marcas costumamos buscar por perfis de creators que compartilhem do mesmo público-alvo do produto ou serviço oferecido do nosso cliente. Isso não é segredo para ninguém, e significa que o criador não é apenas avaliado pela sua qualidade na hora de produzir, mas também (e às vezes principalmente) por sua proximidade temática e tonal ao discurso que a marca pretende alcançar.

Assim como, por exemplo, uma marca de produtos infantis não escolheria um garoto propaganda para seus comerciais que fugisse do perfil familiar e se envolvesse em escândalos, não seria inteligente também que essa marca optasse por um criador de conteúdo que fizesse o mesmo. A melhor escolha seria um creator cujo conteúdo envolvesse família, crianças e cujo perfil trouxesse uma posição de proximidade com sua família. Ao mesmo tempo, não faria tanto sentido para uma marca de energético ou de bebidas alcoólicas contratar um criador cujo conteúdo fosse tranquilo e “família” dessa maneira.

Outra chave aqui também é a responsabilidade. A partir do momento em que um criador de conteúdo se compromete a trabalhar com uma marca por um determinado tempo, ele precisa entender que está representando ela também, e muito do que ele fazer e falar vai acabar respingando no imaginário daquilo que ele está anunciando, seja algo positivo ou negativo. E é aí que entra a responsabilidade: na escolha de se portar de uma determinada maneira para não contrariar aquilo que a marca pretende ser.

Isso acaba sendo extremamente fácil para creators que já tem uma personalidade e um conteúdo estabelecido e que sabem muito bem quem são e o que querem. Quando a identidade deles está definida, a marca sabe muito bem com quem está lidando e não existe o perigo de que o creator mude de uma hora para outra ou faça algo que fuja completamente da sua personalidade. Quando se é um criador de conteúdo, saber quem você é (e, mais do que isso, ser quem você é) é ser responsável com a sua profissão, com a sua marca anunciante e, principalmente, com você mesmo.

Marcadores